BLOGUE DA ORGANIZAÇÃO DA FREGUESIA DE LORDELO DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Resumo da Assembleia de Freguesia de Lordelo - 20 Dezembro 2010

No período antes da ordem dia, o eleito da CDU Miguel Correia leu um documento onde solicitava a disponibilização do espaço da Junta de Freguesia à CDU para criar um horário de atendimento do seu eleito, na última sexta-feira de cada mês, entre as 21h e as 23h de forma a dispor de condições para receber os cidadãos e exercer o seu direito de oposição. (ver documento 1). Numa atitude anti-democrática, que não surpreendeu a plateia, o presidente da Junta, revelando uma cegueira democrática e demagogia bacoca, e antes que os deputados pudessem pronunciar-se, afirmou que a Junta não estava disponível para qualquer actividade político-partidária. A partir daqui, a maioria PSD, seguindo as instruções do “chefe” votou contra.
Assim, o pedido de Miguel Correia não foi aprovado, ficando os lordelenses impedidos de falar com o eleito da CDU na sede da Junta. Ficou mais uma vez provado que o discurso que a Junta é a “casa da democracia” não passa de uma mentira!
Ainda neste ponto de ordem de trabalho, o deputado do PSD Nuno Serra, na sua habitual condição de “voz do dono” criticou a postura de Jorge Castelo, o presidente da Assembleia-Geral da Cooperativa A Lord, no acto eleitoral da instituição realizado no dia anterior, não conseguindo disfarçar a incomodidade de mais uma vez a tentativa de controlar a Lord por parte de Joaquim Mota, Celso Ferreira e seus acólitos ter sido fracassada.
No ponto relativo ao Relatório da Actividade da Junta de Freguesia – 4.º trimestre, Miguel Correia tomou a palavra para elogiar a Junta de Freguesia pelo facto de ter feito a sua inscrição na ANAFRE – Associação Nacional de Freguesias, sugerindo que esta desse formação aos funcionários e membros de Assembleia, nomeadamente nas questões relativas à elaboração do Orçamento.
Joaquim Mota confessou que está ser alvo de ameaças devido ao diferendo existente entre a Junta de Freguesia e Luís Almeida, proprietário da empresa Liga sedeada na zona Industrial, relativo a terrenos que eram baldios e que segundo Mota foram apropriados indevidamente pelo conhecido empresário.
No ponto seguinte discutiu-se a alteração dos preços de campas e transladações. A proposta da Junta foi subir os preços destes serviços em cerca de 10%. Esta proposta foi aprovada com o voto contra da CDU. Miguel Correia justificou esta decisão por considerar que aumento deve ter em conta o valor da inflação previsto para 2011 (2,5%) e não um valor tão acentuado, sobretudo num período de crise e de agravamento das condições económicas das famílias (ver documento 2).
No ponto relativo aos Documentos Previsionais 2011, Miguel Correia pediu alguns esclarecimentos sobre algumas rubricas dos mesmos. Os esclarecimentos prestados por Joaquim Mota foram considerados vagos e insuficientes por parte do deputado comunista. Além disso, as propostas da CDU para o Orçamento foram desvalorizadas. O Orçamento para 2011 foi aprovado com a abstenção da CDU. (ver documento 3).
No ponto relativo à Toponímia/Postura de trânsito, o presidente da Junta disse que a Rua Castro Araújo, Rua de Baucau e a Rua EN209 (junto aos antigos Correios) estão ser alvo de novas posturas de trânsito. Referiu ainda que foram aprovados os nomes para as seguintes ruas: Rua do Freixo (junto à quinta do Mateus – Penhas-Altas); Travessa do Aliados (Parteira) e Rua Presa da Galega.
No último ponto da ordem de trabalhos dedicado à intervenção do público inscreveram-se 6 fregueses, entre os quais:
- Carlos Ferreira, membro da Comissão de Freguesia de Lordelo do PCP, criticou a Junta de Freguesia pelo facto de não aceitar disponibilizar um espaço no edifício da Junta para criar um horário de atendimento do eleito da CDU e disse que as eleições para a Lord foi uma "guerra entre laranjas";
- Vítor Leal, que integrou a lista da CDU nas últimas Eleições Autárquicas, aludiu à situação deplorável das ruas do lugar do Guardão;
- Mário Silva, membro da Comissão de Freguesia de Lordelo do PCP, pediu a intervenção da Junta na resolução de vários problemas no lugar de Cerqueda; e
- Jorge Lamas criticou a promiscuidade existente entre algumas instituições e o facto de Junta não ter solucionado o problema da rua do Cabo onde habita; disse ainda que os terrenos baldios entre o estádio do Aliados e a Liga foram vendidos por alguém…
O presidente da Junta respondeu a todos e aproveitou para criticar a intervenção de Jorge Lamas, o qual sentindo-se indignado abandonou a sala.
Já com este lordelense fora do espaço da sessão, Joaquim Mota afirmou que este não tem estatura moral para o criticar.

Sem comentários:

Enviar um comentário