BLOGUE DA ORGANIZAÇÃO DA FREGUESIA DE LORDELO DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

sábado, 28 de abril de 2012

GRANDE CONCERTO EVOCATIVO DE ABRIL



SEDE DA JUNTA DE FREGUESIA DE PARADA DE TODEIA (Paredes)

30 DE ABRIL, PELAS 21H30

TEMA: A LIBERDADE ESTÁ A PASSAR POR AQUI
VOX POPULI + ORQUESTRA LIGEIRA DE S.PEDRO DA COVA


Comparece!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Assembleia de Freguesia de Lordelo – 25 Abril 2012 (resumo)



 (As terraplanagens, que soterraram o caminho românico junto à ponte Velha, foi um dos temas abordados pelo eleito da CDU)

O salão nobre da Junta de Freguesia de Lordelo, onde foi necessário colocar baldes para aparar a chuva que entrou pelo tecto, foi o palco, hoje de manhã, de mais uma sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de Lordelo.
Uma sessão calma e com pouco público presente, onde houve lugar a várias alusões à data da Revolução do 25 de Abril e à discussão de vários assuntos relacionados com a cidade de Lordelo.

No período antes da ordem do dia, Miguel Correia, eleito da CDU, saudou todos os que lutaram pela liberdade e pela democracia, lembrando o 70.º aniversário do nascimento do cantor e poeta Adriano Correia de Oliveira e o 20.º aniversário da morte do capitão de Abril Salgueiro Maia. Sobre o poder local democrático, uma das conquistas da Revolução dos Cravos, colocada em causa pela Reforma Administrativa que o Governo PSD/CDS quer implementar, e que implica a extinção de milhares de freguesias, o deputado da CDU lembrou a grandiosa manifestação promovida pela ANAFRE, no pretérito dia 31 de Março. Saudou, especialmente, a participação dos autarcas de Parada de Todeia e de Besteiros e suas respectivas populações, duas freguesias paredenses que o actual Governo quer extinguir, sem deixar de notar a ausência de muitos presidentes de Junta do concelho de Paredes na manifestação que juntou milhares de pessoas em Lisboa.

De seguida, Miguel Correia pediu esclarecimentos ao presidente da Junta sobre diversas situações relativas à cidade de Lordelo:

1 - O problema de falta de água para regadio nos campos da Ferrugenta, em particular na zona entre a rua das Agras e os limites de Lordelo, junto à A42, cuja causa é a construção da auto-estrada, que cortou o acesso às reservas de água;

2 - A água conspurcada (e consequentes maus-cheiros) que corre, muitas vezes, pela rua de Penhas-Altas;

3 - A necessidade de limpeza e arranjo das bermas na rua das Flores (Parteira);

4 - A necessidade de arranjar e alcatroar ou colocar “paralelos” na rua Pedrinhas do Sal (Parteira);

5 - Solucionar a situação em frente ao prédio do “Euro Poupança”, nomeadamente o separador da Avenida que foi cortado, causando problemas graves de insegurança; e

6 - Relacionado com o assunto anterior, a necessidade de desbloquear o caminho românico junto à ponte Velha (ponte do Pardal), que ficou soterrado pelas terraplanagens, em frente ao “Euro Poupança”.

Joaquim Mota respondeu às questões colocadas pelo deputado comunista:

1 - Atribuiu responsabilidades à empresa de construção, que mais tarde faliu, e ao Sr. Baltazar “Manca” que ficaram de resolver o problema do acesso às reservas água por parte dos lavradores que trabalham os terrenos agrícolas da Ferrugenta.

2 - Informou que a Polícia Municipal já abordou o proprietário de uma habitação situada na rua de Penhas-Altas, o responsável pelo problema da água mal-cheirosa, esperando que seja este a resolver o problema, pois a Junta não tem nenhuma responsabilidade no assunto;

3 - A rua das Flores será, em breve, limpa e arranjada;

4 - Vai tentar que a Junta de Freguesia possa arranjar e alisar o piso no percurso em terra batida da rua Pedrinhas do Sal, para que esta seja transitável em toda a sua extensão;

5 - O corte do separador da Avenida Adelino Amaro da Costa foi realizado à revelia das autoridades. Contudo, a Câmara Municipal de Paredes está a estudar a possibilidade de repor o separador ou colocar sinalética na zona.

6 - As terraplanagens, que soterram o caminho românico, são fruto de compromissos estabelecidos com o Eng. Matos Gil, proprietário do terreno. No entanto, Mota prometeu que será aberto uma passagem de forma a desbloquear o caminho que dá acesso à ponte Velha.

Ainda, no período antes da ordem do dia, o deputado Hélder Oliveira (PS) lembrou o problema das árvores na Avenida Adelino Amaro da Costa, que pela sua dimensão, estão a colocar em causa a segurança de peões e automóveis. Joaquim Mota informou que essas árvores serão substituídas por outras mais pequenas.

Após o pedido de esclarecimento de algumas rubricas que constam do Documento de Prestação de Contas da Freguesia de Lordelo – ano 2011, por parte do deputado da CDU, o documento foi aprovado com a abstenção do PS.

A acta da sessão anterior foi aprovada com o voto contra da CDU. Miguel Correia considerou que a acta continha demasiados erros ortográficos e gramaticais e revelava grande ambiguidade em relação ao Novo Acordo Ortográfico. O documento apresentava, simultaneamente, partes redigidas pelas novas regras e outras partes escritas sem cumprir as normas da nova ortografia.

Na apresentação do Relatório de Actividades do primeiro trimestre 2012, o eleito comunista aproveitou para questionar quais os assuntos abordados na reunião entre o Executivo da Junta e o Dr. Sousa Pinto do Centro de Emprego Penafiel.
Joaquim Mota informou que solicitou ao Centro de Emprego pessoas, a auferirem subsídio de desemprego, para realizarem tarefas para Junta de Freguesia a baixo custo. O representante do Centro de Emprego mostrou-se receptivo a esta proposta. 
Mota afiançou, ainda, que a Junta de Freguesia de Lordelo não tem serviço de certificação da situação de desemprego porque quando o Centro de Emprego solicitou à Câmara Municipal de Paredes três locais do concelho para terem este serviço, o presidente da altura, Granja da Fonseca, não indicou o nome de Lordelo. Assim, os desempregados lordelenses terão que continuar a fazer as suas apresentações quinzenais na Junta de Freguesia de Rebordosa.

Miguel Correia aproveitou para elogiar a recuperação e arranjo da ponte do Lagar e propôs também a recuperação da ponte do Serrador, na Levadinha.

No final, houve cravos vermelhos para todos os presentes.

domingo, 22 de abril de 2012

Assembleia de Freguesia de Lordelo no dia 25 de Abril

Sessão Ordinária 
25 de Abril, 9h

Ordem de trabalhos:
1 - Período antes da ordem do dia;
2 - Documentos de prestação de contas da Freguesia de Lordelo - ano 2011;
3 - Votação e aprovação da acta da sessão anterior;
4 - Relatório de actividade do primeiro trimestre de 2012;
5 - Período de trinta minutos para intervenção do público.

Intervenção da Comissão Concelhia de Paredes na X Assembleia da Organização Regional do Porto do PCP



Ivo Rafael Silva (Comissão Concelhia de Paredes do PCP) 

Ler intervenção em A FARPA

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Convocatória da Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Paredes

Dia 21 de abril de 2012
Período da Ordem do Dia

1- Relatório de actividades municipais e situação financeira do municipio
2- Documentos de prestação de contas do municipio de Paredes - ano 2011
3- Proposta de autorização genérica para dispensa de autorização prévia da Assembleia Municipal
4 - Declaração de compromissos plurianuuais e dos pagamentos e recebimentos em atraso, existentes a 31 de dezembro de 2011
5- Sinalização vertical de um painel indicador de 30 m no inicio da Rua de S. Miguel - freguesia de Baltar
6- Terceira alteração ao plano de urbanização de Rebordosa e parcial de Lordelo, Vilela e Astromil

quinta-feira, 12 de abril de 2012

X Assembleia da Organização Regional do Porto do PCP

O PCP anunciou, em conferência de imprensa realizada anteontem, os objectivos da X Assembleia da Organização Regional do Porto, marcada para o próximo dia 21 de Abril. Jaime Toga, membro da Comissão Política e responsável pela organização regional do Porto do Partido, enunciou os nove vectores essenciais ao desenvolvimento da região que irão ser propostos à assembleia de dia 21: 1) Produção, criação de emprego com direitos, valorização salarial; 2) apoio social e combate às desigualdades; 3) segurança e justiça; 4) investimento público e coesão territorial; 5) transportes e acessibilidades; 6) saúde; 7) educação e ensino; 8) cultura, desporto e recreio; 9) ambiente e desenvolvimento sustentado.
No que respeita ao primeiro vector, os comunistas reafirmam a necessidade de se adoptar um Programa Distrital de Promoção de Emprego com Direitos e Combate à Precariedade, que tenha presente as «especificidades da situação económica e social existente e as potencialidades da região», respondendo prioritariamente ao grave problema do desemprego juvenil. Sobre o segundo, Jaime Toga referiu-se especificamente à defesa de uma «rede social pública eficiente e com os meios necessários para garantir uma resposta aos crescentes problemas e flagelos da região», como o desemprego, a precariedade ou a pobreza e exclusão social.
Se no terceiro vector os comunistas insistem no reforço do policiamento de proximidade, no quarto a prioridade vai para a concretização dos «diversos investimentos há muito anunciados para a região, valorizando principalmente os concelhos do interior». Na quinta área, o PCP insistirá num serviço de transportes públicos de passageiros «ao serviço das populações, impedindo o processo de privatizações e de fusões previsto para as empresas que operam na região». Relativamente à saúde, o sexto vector, os comunistas deverão reafirmar a necessidade de contrariar os processos de encerramento em curso e o favorecimento de privados, «dando prioridade aos cuidados primários de Saúde, à prevenção e à profilaxia».
Combater a «crescente elitização da educação e os encerramentos anunciados» e apoiar o ensino artístico e as iniciativas dos produtores e criadores culturais, bem como a actividade associativa são algumas das propostas relativas aos sétimo e oitavo vectores. A defesa do ambiente e da qualidade do ar e o tratamento dos resíduos, a par de uma «particular atenção» a ser concedida às áreas protegidos e às zonas de RAN e REN, compõem o nono vector.
Na conferência de imprensa, Jaime Toga reconheceu que «nenhum dos problemas da região se resolve sem a inversão de políticas no País», considerando porém que a proposta do PCP face a esses problemas, «deve estar sempre presente».
A X Assembleia da Organização Regional do Porto do PCP, que se realiza no Fórum da Maia, será ainda um «espaço de discussão, análise e proposta», realçou o membro da Comissão Política, que valorizou o «envolvimento das organizações e dos militantes». A sua preparação, acrescentou, começou no início de Março com a publicação do projecto de resolução política, estando previstas, ao todo, 98 reuniões e plenários.
Apesar da intensa preparação da Assembleia (como do XIX Congresso), Jaime Toga salientou que o PCP «não fechou para reunir», pois organiza-se e estrutura-se «sem perder de perspectiva os problemas das populações e dos trabalhadores e a luta por uma vida melhor». A actividade e intervenção partidárias no distrito provam mesmo que o Partido «aprofundou a sua ligação aos trabalhadores e às populações, está mais organizado e mais forte».

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Nos 70 anos de nascimento de Adriano Correia de Oliveira


Hoje, dia 9 de Abril, completam-se 70 anos sobre a data de nascimento de Adriano Correia de Oliveira.Nascido no Porto, passou grande parte da sua juventude e os seus últimos dias na freguesia gaiense de Avintes.
Em Coimbra, como estudante universitário e, mais tarde, em Lisboa, viria a revelar, em plenitude, a sua arte, e a editar uma obra composta por 90 títulos, que o projectou e consagrou como um dos grandes autores e intérpretes da música portuguesa.
Foi um cantor, um criador cultural de rara coragem que, entre espinhos e perigos, semeava a rebeldia, a inquietação, fazendo da música uma linguagem entre iguais, levada aos lugares mais distantes, às pessoas mais ignoradas, para fazer de cada ouvinte um participante. A todos oferecia canções na sua voz de cristal, onde voava a liberdade, um canto lírico voltado não para si mesmo mas para a dádiva e a partilha. A sua voz não esquece e, apesar de  silenciada no universo mediático, muitos dos seus temas estão hoje a ser recriados por grupos musicais das novas gerações.
A memória de Adriano Correia de Oliveira chega até hoje, também, pelo seu legado cívico, de combatente pela liberdade e a justiça social, que tinha Partido, comunista, que sempre defendeu e ajudou até ao seu último sopro de vida. Adriano para quem a cantiga era uma arma feita de ideais e convicções, de amor e razão, de beleza e encantamento, contra a opressão e a guerra, pela paz e a democracia, antes e depois do 25 de Abril.
A DORP do PCP, no 70º aniversário do seu nascimento, presta homenagem a Adriano Correia de Oliveira e saúda as iniciativas que têm evocado a sua vida e a sua obra, designadamente as que terão lugar no próximo sábado, dia 14, em Avintes.