BLOGUE DA ORGANIZAÇÃO DA FREGUESIA DE LORDELO DO PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Reconhecimento Público a Álvaro Pinto


Decorreu ontem no Salão da Junta de Freguesia de Parada de Todeia, uma sessão de Reconhecimento Público de Álvaro Pinto pelo Povo desta freguesia do concelho de Paredes. O homenageado é o atual presidente da Junta de Freguesia, deputado na Assembleia Municipal de Paredes que encabeça a lista da CDU a este órgão, nas próximas eleições autárquicas.
Foi uma sessão de forte carga emotiva, onde discursaram muitas personalidades ligadas à vida associativa da freguesia, bem como representantes sindicais, dirigentes do seu partido – o PCP e de outras forças políticas, incluindo autarcas do concelho de Paredes.
A presença e reconhecimento dos autarcas de Paredes levou mesmo Cristiano Ribeiro, médico a prestar gratuitamente os seus serviços profissionais na freguesia de Parada de Todeia desde 2002 e amigo e camarada do homenageado, a lançar o desafio de o próximo mandato ter como presidente da Assembleia Municipal de Paredes Álvaro Pinto. (ler discurso)
Em representação do PCP, Gonçalo Oliveira, membro da DORP e do Comité Central, elogiou o trabalho a todos os níveis de Álvaro Pinto, sublinhado a sua condição de militante comunista, que sempre soube dar o seu contributo, no contexto do trabalho coletivo, em prol da defesa dos direitos dos trabalhadores e dos legítimos interesses das populações.
A Comissão promotora do evento ofereceu uma prenda, símbolo da estima e respeito da população de Parada ao seu autarca. Álvaro Pinto recebeu também oferendas de outros intervenientes na sessão, designadamente um gasómetro (instrumento usado pelos mineiros) do seu amigo e autarca de S. Pedro da Cova, Daniel Vieira.
Talvez entusiasmado por esta oferenda, Álvaro Pinto, na sua intervenção, cantou o refrão do hino dos mineiros das Astúrias dedicado à padroeira Sta. Barbara, lembrando a ausência do pai (marinheiro) quando era criança e ter que assumir, desde cedo, responsabilidades acrescidas na sua família, uma vez que era o mais velho de oito irmãos. Emocionado, pediu desculpas à sua família por muitas vezes ter estado ausente, lutando por uma sociedade mais justa, designadamente no âmbito da luta sindical com os seus camaradas ferroviários e no âmbito do partido que o fez crescer como ser humano – o Partido Comunista Português.
Confessou-se surpreso por tão grande distinção e prometeu, tal como sempre, continuar a lutar pelas justas aspirações das populações.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário